Actions
Begin New Search
Refine Last Search
Cemetery Lookup
Add Burial Records
Help with Find A Grave

Find all Borbas in:
 • Cemitério do Cajú
 • Rio de Janeiro
 • Find A Grave

Top Contributors
Success Stories
Community Forums
Find A Grave Store

Log In
Sponsor This Memorial! Advertisement
Emilinha Borba
Learn about removing the ads from this memorial...
Birth: Aug. 31, 1923
Death: Oct. 3, 2005

Emilinha Borba (Emília Savana da Silva Borba), cantora, nasceu no Rio de Janeiro RJ em 31/8/1923. Nasceu e passou grande parte da infância em Mangueira, mudando-se depois com os pais e seis irmãos para o bairro de Jacarepaguá. Já então gostava de cantar, divertindo os colegas com suas imitações de Carmen Miranda. Passou a freqüentar programas de calouros, ganhando seu primeiro prêmio, com 14 anos, na Hora Juvenil, da Rádio Cruzeiro do Sul. Começou, a partir daí, a fazer parte do coro das gravações da Columbia. Ainda nesse programa, formou o duo As Moreninhas, com Bidu Reis, que durou cerca de um ano e meio. Para o Carnaval de 1939, fez sua primeira gravação, na Columbia, a marcha Pirulito (João de Barro e Alberto Ribeiro), ao lado de Nilton Paz, mas seu nome não apareceu no selo do disco. Também em 1939, através de Carmen Miranda, conseguiu ser apresentada a Joaquim Rolas, proprietário do Cassino da Urca, que a contratou. Na Columbia até 1940, gravou mais quatro discos com quatro músicas, com destaque para os sambas O cachorro da Iourinha e Meu mulato vai ao morro (ambos de Gomes Filho e Juraci Araújo). Ainda era chamada de Emília. Em 1940 foi para a Rádio Mayrink Veiga. Nesse ano participou do filme Vamos cantar, de Leo Marten. Em 1941-1942, gravou dois discos na Odeon, como Emilinha, voltando em 1942 para a Columbia, já chamada Continental. Saiu do Cassino da Urca em agosto de 1943 e foi logo contratada pelo Cassino Atlântico, passando também a trabalhar, por um período de seis meses, na Rádio Nacional. Em agosto de 1944 retornou ao elenco da Rádio Nacional, onde permaneceria por 27 anos ininterruptos, fase áurea dessa emissora e da carreira da cantora. Foi o primeiro grande cartaz dos programas de auditório lançados pela Rádio Nacional, a partir de 1945, e sua popularidade esteve diretamente ligada ao programa de César de Alencar, transmitido para todo o país. Em 1947 fez enorme sucesso com as rumbas Escandalosa (Djalma Esteves e Moacir Silva), Rumba de Jacarepaguá (Haroldo Barbosa), Tico-tico na rumba... (Haroldo Barbosa e Peterpan) e o samba Se queres saber (Peterpan), gravados na Continental. Em 1948, seus destaques foram Já é de madrugada (Peterpan e Antônio Almeida), Telefonista (Peterpan e Augusto Monteiro), Esperar, por quê? (José Maria de Abreu e Alberto Ribeiro) e Quem quiser ver vá lá (Peterpan e René Bittencourt); para o Carnaval de 1949, gravou um de seus maiores sucessos, Chiquita Bacana (João de Barro e Alberto Ribeiro), além de Porta-bandeira (Nássara e Roberto Martins) e Tem marujo no samba (João de Barro), mas perdeu para a cantora Marlene o título de Rainha do Rádio daquele ano, gerando atritos entre os respectivos fãs-clubes. As duas, no entanto, surpreenderam o público no ano seguinte, gravando juntas, em dueto, Eu já vi tudo (Peterpan e Amadeu Veloso), Casca de arroz (Arlindo Marques Júnior e Roberto Roberti) e A bandinha do Irajá (Murilo Caldas). No seu repertório de 1950, destacaram-se os baiões Baião de dois e Paraíba (ambos de Humberto Teixeira e Luís Gonzaga) e Tomara que chova (Paquito e Romeu Gentil), gravado para o Carnaval seguinte e que se transformou num dos marcos de sua carreira.Participou de 34 filmes, destacando-se, nesse período: Poeira de estrelas (Moacir Fenelon, 1948), Estou aí (José Cajado Filho, 1949), Aviso aos navegantes (Watson Macedo, 1950) e Barnabé, tu és meu (José Carlos Burle,1952). Durante a década de 1960 continuou a marcar sua presença nos Carnavais, lançando músicas bem populares como Pó de mico (1963), de Renato Araújo, Dora Lopes, Arildo de Sousa e Nilo Viana e Mulata iê-iê-iê (1965), de João Roberto Kelly. De 1939 a 1964, gravou em 78 rotações cerca de 117 discos com 216 músicas. Na medida em que seu gênero musical - samba, marcha, rumba - foi cedendo lugar à música jovem, ela foi desaparecendo do cenário artístico até encerrar praticamente sua carreira em 1968, quando, operada de um edema nas cordas vocais, não conseguiu recuperar o timbre de voz. Em 20 anos de carreira, desde 1945, tornou-se, juntamente com sua "rival" Marlene, um dos primeiros produtos bem-sucedidos da eficiente máquina de criação e divulgação de ídolos, montada no rádio em torno dos programas de auditório, que se estendeu ao cinema através das chanchadas. Até 1990, já tinham sido lançados quatro LPs coletâneas de seus sucessos: Sempre favorita (Revivendo), Presença de Emilinha Borba (LP duplo CBS), O maravilhoso mundo musical de, vol. 1 e 2. Em 1990 festejou 50 anos de carreira com um desfile em carro aberto pela Av.Rio Branco, no Rio de Janeiro, em que foi seguida por cerca de 6 mil pessoas, um show no Teatro Rival e o lançamento do LP O Carnaval de João Roberto Kelly na voz de Emilinha Borba (Vitale), contendo duas composições novas para o Carnaval de 1991. 
 
Burial:
Cemitério do Cajú
Rio de Janeiro, Brazil
 
Created by: Nivas Larsan
Record added: Feb 11, 2006
Find A Grave Memorial# 13314141
Emilinha Borba
Added by: Nivas Larsan
 
Emilinha Borba
Added by: Anonymous
 
 
Photos may be scaled.
Click on image for full size.


- Cristiano Rieck
 Added: Aug. 24, 2015
Sempre te amarei, Rainha !!!
- José Ailton Sales Pereira Junior
 Added: Feb. 13, 2014
Meu pai era um grande fã desta estrela nacional!
- Carioca
 Added: Jun. 29, 2010
There are 4 more notes not showing...
Click here to view all notes...
 
 
 Advertisement

Privacy Statement and Terms of Service